logo

Por mais que existam os itens mais comuns que compramos como potes, caminha e brinquedos, eventualmente precisaremos de outros.

Tentamos reunir aqui alguns e esclarecer algumas dúvidas.

Portão

Considero este item como importante. Comumente é utilizado para separar algum ambiente que o filhote não possa entrar, até mesmo para “prender” em outro cômodo na chegada de visitas, caso ele não seja treinado e possa aprontar muito.

Uma coisa que encorajo meus clientes desde a chegada do filhote é a de estimular a independência dele. Por vezes, é importante estar em ambientes separados do cachorro, justamente para que ele se acostume a ficar sozinho em alguns momentos do dia, para que não acabe desenvolvendo uma ansiedade de separação.

Ao comprar um portão, o ideal é tirar as medidas de onde pretende colocá-lo e comparar com o tamanho do modelo desejado. Existem também extensores, caso a medida do local seja superior.

Já existem no mercado algumas variedades que podem substituir o portão de ferro, porém não tão facilmente encontrados em pet shops, mais pela internet.

Cercadinho

O cercado pode ser um bom aliado na chegada do filhote em sua casa. Normalmente utilizado para restringir um local inicial, não permitindo que o filhote saia desbravando a casa inteira, com risco de acidentes.

Pode ajudar muito nos treinos para que o peludo faça xixi e cocô no local certo, colocando tapete higiênico ou jornal, para que assim que faça suas necessidades seja recompensado, agilizando o processo para que em breve chegue aos 100% de aproveitamento. Você poderá ler mais sobre o tipo de treinos para alcançar este sucesso na sessão de xixi e cocô.

Proteção de janelas e varandas

Este assunto na maioria das vezes fica em segundo plano.

Antes de fazer a primeira visita à casa dos meus clientes, os informo que faço uma análise criteriosa no ambiente, para checar possíveis pontos inseguros para o cachorro.

Os que mais observo são janelas e varandas.

As janelas por motivos óbvios, principalmente perto de móveis próximos, que podem facilitar o acesso do peludo e correndo risco de acidentes fatais.

Conto como caso um cliente que não possuía tela protetora em uma janela muito próxima ao sofá, mas se sentia tranquilo pois seu cachorro não subia neste sofá e a janela sempre ficava fechada. Acontece que na noite de Reveillon, sozinho em casa, o Shih Tzu com medo dos fogos subiu no sofá e conseguiu acessar a pequena fresta na janela, e caiu do sexto andar. Milagrosamente, um toldo absorveu o impacto, e o mesmo “apenas” fraturou um dente, estando em perfeitas condições de saúde hoje em dia.

Já algumas varandas podem possuir frestas com tamanho suficiente para cães de pequeno porte passarem.

Tive uma aluna Spitz que, ao chegar pela primeira vez no apart hotel que ficaria com sua dona por 2 meses, acabou passando pela fresta da varanda para a do apartamento ao lado. A cliente só percebeu quando seu vizinho tocou a campainha devolvendo a fujona.

Para prevenir acidentes, o ideal é realizar qualquer tipo de alteração em janelas, varandas, buracos vazios de ar condicionado, antes da chegada do filhote em sua casa.

Caixa de Transporte

A caixa de transporte de seu cachorro já deixou de ser apenas para transporte e viagens. E deixou de ser aquele item que raramente é usado e fica em um canto da casa guardado e empoeirando.

Se observarmos a nossa atual lei de trânsito , é proibido transportar os cães na parte externa do veículo, como em caçambas, bem como solto junto ao motorista, assim como em qualquer condição que ponha em risco a direção do condutor. Além disso, cães soltos nos veículos, não protegidos por cinto de segurança ou caixa de transporte, podem sofrer ferimentos graves em possíveis acidentes, assim como nós humanos quando não estamos devidamente protegidos no interior do carro.

Outro ponto importante é que a caixa de transporte pode servir como uma “toca” para seu peludinho, onde ele poderá se sentir mais seguro em determinadas situações, como nos seus primeiros dias na casa nova, ou caso tenha medo de relâmpagos e fogos de artifício.

Costumo realizar treinos com caixas de transporte para cães que farão viagens curtas ou longas, assim como os treino para que a caixa tenha a função de um ponto fixo, onde sob comando o orientamos a adentrá-la e lá permanecer até novas orientações.

A caixa de transporte para cachorro ideal deve ser grande o suficiente para que o animal consiga ficar de pé dentro dela e dar uma volta inteira em torno de si mesmo. Além disso, o animal deve poder deitar sem tocar o focinho nas grades. A qualidade da tranca também é importante ser avaliada.

Sapatinhos

Acredito ser um dos itens mais polêmicos quando se trata de cães.

Uma vezes usados como acessórios da moda, mas na maioria é utilizado para passeios, evitando que as patinhas entrem em contato direto com o chão quente.

A questão higiênica ainda é o maior motivo para o uso de calçados nos pets, uns para evitar que ele não entre em contato com bactérias ou parasitas presentes nas ruas, substâncias químicas nocivas, ou não molhem as patas em dias de chuva.

Entretanto, nesses anos percebi que uma boa parte dos tutores que colocam estes acessórios buscam evitar a necessidade da limpeza na volta dos passeios.

Muitos profissionais veterinários não recomendam a utilização de calçados, ou recomendam por curtos períodos, como nos passeios.

Existe a questão ergonômica, uma vez que as patinhas são projetadas naturalmente para garantir ao cão a forma correta de pisada, e os sapatinhos podem alterar esta característica natural. Além disso, como os cães também transpiram pelos coxins (as almofadinhas da pata), utilizar por muito tempo pode causar lesões devido ao acúmulo de suor e falta de “respiração” das patinhas.

Podemos encontrar muitos vídeos na internet de cães caminhando de forma engraçada quando estão de sapatinhos. Na verdade isso mostra um desconforto dele com algo que não é natural em sua vida.

Caso haja necessidade, o ideal é o quanto antes acostumá-lo com estes itens, treinando desde cedo. Aproveite momentos em que seu filhote esteja mais relaxado ou cansado, coloque nele e tente fazer alguma atividade em que ele caminhe lentamente lhe acompanhando, o recompensando com sua ração, um petisco (autorizado pelo veterinário) ou seu brinquedo favorito. Esta distração pode fazer com que o fato de estar usando sapatinhos possa ser deixado em segundo plano.

Roupinhas

Assim como os sapatinhos, são muito utilizadas por questões estéticas, desde as roupinhas normais como blusinhas ou casaquinhos, como fantasias.

Normalmente são usadas nos cães em climas ou dias frios, porém este uso deve ser criterioso, uma vez que cães com pelos longos costumam possuir uma camada dê subpelos que já os mantém aquecidos. Já algumas raças com pelos curtos ou até mesmo sem pêlos, costumam aproveitar melhor este acessório. O frio que sentimos pode ser diferente do que eles sentem.

Os cachorros costumam inicialmente ficar incomodados não só com as roupas, mas com qualquer tipo de acessório em seu corpo, uma vez que não são itens comuns em sua natureza.

Caso haja necessidade, o ideal é o quanto antes acostumá-lo com seu uso, treinando desde cedo. Aproveite momentos em que seu filhote esteja mais relaxado ou cansado, coloque nele e tente fazer alguma atividade em que ele caminhe lentamente lhe acompanhando, o recompensando com sua ração, um petisco (autorizado pelo veterinário) ou seu brinquedo favorito. Esta distração pode fazer com que o fato de estar usando uma roupinha possa ser deixado em segundo plano.

Capa de chuva

Não é muito comum ver um cachorro caminhando na chuva, e os poucos que vemos caminham por baixo de marquises, para não se molharem.

Acontece que muitos cães não fazem suas necessidades em casa, obrigando os tutores a levar na rua pro peludo se aliviar.

Nisso as capas de chuva podem ser uma boa ajuda neste momento, para que o cachorro não fique com os pelos molhados, e evitem que esta umidade possa desencadear algum tipo de dermatite.

Gravatas, bandanas e lacinhos

São itens meramente estéticos, para deixar o peludo mais fofinho.

Alguns cães podem apresentar desconforto por não estarem acostumados com seu uso, porém se familiarizados desde cedo, podem se tornar um acessório de beleza bem bacana.

O ideal é o quanto antes acostumá-lo com seu uso, treinando desde cedo. Aproveite momentos em que seu filhote esteja mais relaxado ou cansado, coloque nele e tente fazer alguma atividade em que ele caminhe lentamente lhe acompanhando, o recompensando com sua ração, um petisco (autorizado pelo veterinário) ou seu brinquedo favorito. Esta distração pode fazer com que o fato de estar usando um acessório possa ser deixado em segundo plano.