logo

Você passa o dia trabalhando e quando chega em casa seu filhote te recebe muito animado, com bastante pulo, beijos e aquela festinha deliciosa. Até então isso é muito gostoso e uma sensação maravilhosa saber que alguém está muito feliz somente por lhe ver.

Porém este filhote, dependendo do porte, poderá ficar bem grande, e aquilo que até então era uma coisa normal e gostosa, pode se tornar uma dor de cabeça.

Imaginem um Golden Retriever com seus 6 ou 7 meses de idade, já em um tamanho considerável, e ao chegar uma pessoa idosa para visitar sua casa ele a receba pulando. Para derrubá-la ou causar ferimentos em uma pessoa possivelmente com a pele bem sensível, este gesto de carinho pode se tornar um acidente perigoso.

Mas por qual motivo os cães pulam nas pessoas?

Trata-se de um comportamento natural. Assim como temos filhotes que gostam de dar umas mordiscadinhas nos pés e calcanhares das pessoas, muitos utilizam o pulo como uma forma de chamar a atenção. Por ser pequeno, os pés são o meio mais fácil e ao alcance para que se obtenha a sonhada atenção, até porque é muito difícil ignorar dentinhos bem afiados lhe machucando. E com os pulos, eles conseguem ficar em uma altura superior ao dos nossos pés, e quase sempre conseguem a atenção, pois ou ganha carinhos ou o dono lhe empurra para que cesse o comportamento.

Ganhar carinho já se torna uma recompensa a este comportamento, e ficar empurrando o cachorro ao pular e ele voltar e pular de novo, num ciclo que pode durar muitos pulos, potencialmente se torna uma brincadeira bem gostosa, estimulando o cão a repetir sempre.

Acontece que se todas as pessoas da casa receberem estes pulinhos com naturalidade, não podem se queixar se ele fizer o mesmo nas visitas ou nas pessoas na rua, certo? O cachorro não tem como diferenciar que um comportamento que vocês e ele encaram com tanta naturalidade, e ele acaba sendo estimulado a isso, que não pode fazer nas outras pessoas. Podemos dizer que é injusto querer que ele faça essa diferenciação.

O que fazer?

O ideal é que desde que o filhote chegue em sua casa seja os pulos sejam desestimulados. Se ao pular ele ganhar carinho, isso vai sempre se repetir. Se você fica o empurrando e ele continuar pulando, isso vai sempre se repetir.

O melhor a se fazer é ignorar o cachorro quando ele pular em você.

Geralmente quando chego em meus clientes os cães ficam eufóricos com a visita e chegam pulando. Eu viro de costas imediatamente, mostrando a eles que perderam a minha atenção. Alguns dão a volta em tentam pular novamente, e eu viro de costas novamente, sempre com os braços cruzados para que não alcancem minhas mãos. Repito este processo até que a euforia baixe e ele desista dos pulinhos, que é o exato momento em que falo com eles com as mãos em uma posição que acabe inibindo qualquer tentativa de pular, geralmente com uma mão sobre a cabeça e outra mais abaixo próximo à nuca.

Ainda tem aqueles que mesmo de costas se mantém pulando, e vou me afastando até que ele entenda que não receberá nada meu até parar com este comportamento.

Ignorar é uma das melhores soluções.

Mostrar a ele como você gostaria de ser abordado é melhor que utilizar broncas, que geralmente não surtem efeitos.

Dicas de Treino

Um dos treinos que mais gosto de fazer para diminuir os pulos é o do comando Senta. Quando o cachorro já sabe este comando, eu peço a meus clientes que utilizem muito no dia a dia, pedindo para que o filhote sente e seja recompensado, com ração ou petisco (autorizado pelo veterinário), justamente para que cada vez mais ele entenda que sentar é a melhor coisa do mundo, e para que o comportamento se repita.

Neste treino, peço que o tutor ande pela casa inteira pedindo o comando. Exemplo: você está na sala com o filhote, e você caminha em direção a cozinha, e ao chegar lá se vira e antes que ele chegue muito perto de você, já pede para que ele sente, e o recompense. Nisso você vai caminhando pela casa, e uma etapa muito importante para se construir melhor a ideia de que sentar é melhor que pular, é começar aos poucos a caminhar mais rapidamente, até o ponto de correr pela casa com ele lhe seguindo.

Quando você caminha mais rápido ou corre, o filhote tende a ficar mais eufórico e pular em você na chegada. Antes que ele chegue em você peça para que sente, e o recompense. Caso pule, ignore e recomece a corridinha. Repita este processo em alguns treinos durante o dia.

Na chegada das visitas, caso ele ainda tenha o costume, você pode retirá-lo de cima da pessoa assim que ele pular, mostrando que ele perde o direito de interagir com a visita. Vá repetindo o processo até que ele chegue de maneira calma e seja recompensado com a interação com a pessoa.