logo

Este é um dos itens que devemos ter a maior atenção e preocupação ao receber um cachorro em casa. A correta alimentação não envolve apenas uma ração de qualidade. Existem outros fatores.

Tentaremos compilar o máximo de informações sobre as etapas e transições que deverão ocorrer.

Amamentação

Inicialmente, os filhotes recebem o leite materno como sua única fonte de alimentação, onde através deste recebe sua imunidade. É um momento que deve ser respeitado, não devendo ser interrompido. Dura em torno de 45 dias até se iniciar o desmame.

É importante que a mamãe canina não esteja sob estresse, uma vez que pode ficar nervosa com a proximidade de pessoas durante a amamentação, para proteger seus filhotes.

Desmame

Ocorre em torno de 6 a 8 semanas de vida do filhote, onde o leite materno já não será tão eficaz para prover todos os nutrientes necessários para o crescimento saudável.

O fim do desmame não deve ser brusco, necessitando haver uma transição entre o leite materno e alimentos sólidos, intercalando o leite com papinhas, e a ração. Todo este processo deve ser seguido à risca de acordo com orientações de um médico veterinário.

É importante não deixar a ração ou a comida da mamãe canina em local de fácil acesso, pois além de poderem conter grãos grandes demais para o filhote, a alimentação de um adulto não é a recomendada.

Alimentação sólida – Ração

Em geral, a correta alimentação deve ser indicada por um médico veterinário. Por isso a importância em já realizar uma consulta com um profissional assim da chegada de seu amiguinho em casa, tanto para a questão vacinal, tanto para orientação sobre as fases da alimentação, incluindo qual o melhor tipo de alimento. Alguns profissionais orientam a alimentação natural, porém a grande maioria indica as rações comuns, de acordo com a idade e porte de seu cachorro.

Muitos fabricantes de ração já incluem em suas embalagens a quantidade correta em gramas, assim como a quantidade de vezes ao dia que o cãozinho deve comer. Como dito mais acima, não é o ideal se basear apenas nas informações da embalagem, devendo haver uma opinião de um profissional veterinário que dará a melhor orientação.

Além disso, é importante se atentar às especificações do fabricante, pois alguns definem qual a alimentação necessária de acordo com o peso estimado do cachorro quando adulto, daí a importância de se obter uma opinião especializada.

Em geral, é a observado o seguinte:

Filhotes de 2 a 4 meses de idade: 4 vezes ao dia

Filhotes de 4 a 8 meses de idade: 3 vezes ao dia

Cães saudáveis a partir de 8 meses: 2 vezes ao dia

Alguns filhotes acabam “enjoando” do sabor da ração que está acostumado, onde mais uma vez é necessária a opinião do médico veterinário, sobre uma possível troca de sabor ou troca de fabricante. Não se afobe e misture comida natural (arroz, frango, vegetais, etc) no intuito de fazer seu cãozinho se alimentar. Pode ser um caminho sem volta para que ele não queira mais somente a ração e espere sempre algo mais gostoso. Normalmente uma troca de ração exige uma transição de poucos dias.

Outro ponto importante é a diferença entre as rações para filhotes e adultos. Cada uma tem a quantidade de nutrientes necessárias para cada fase do crescimento, devendo novamente se obter opinião profissional quando de sua transição.

Alimentação Natural

Conhecida como AN, a alimentação natural está cada vez mais presente na vida de nossos peludos.

A alimentação natural para cães é uma dieta balanceada composta por ingredientes naturais e que são minimamente processados, isto é, não passam por processos industriais como acontece com as rações. Neste balanceamento, é levado em conta a quantidade dos nutrientes necessários para seu crescimento saudável.

Porém, a AN não se trata da comida que nós humanos comemos no dia a dia. Ela deve ser feita especialmente para eles, uma vez que até mesmo alimentos comuns em nosso cotidiano podem ser altamente contra indicados para os peludos.

Normalmente faz muito sucesso entre eles, porém qualquer decisão neste sentido deve ser acompanhada de uma orientação de um profissional veterinário, com sua formulação sendo feita por um nutricionista veterinário, que se atentará a todas as características de seu cão para a confecção de uma dieta balanceada e palatável.

Cães que comem muito rápido

Alguns filhotes realmente vão com bastante vontade quando sua comida é colocada. Uns por costume, uns por terem muita energia e necessidade em repor, até mesmo alguns que quando mais novinhos poderiam ter alguma dificuldade no acesso ao alimento, seja seus irmãozinhos mais fortes se aproveitando, seja em um abrigo onde a alimentação individual talvez não seja controlada.

O mais importante é saber que este tipo de comportamento pode não ser benéfico à saúde, podendo ocasionar engasgos ou refluxos, assim como problemas no sistema digestivo a longo prazo.

Existem recipientes especiais para cães com este tipo de comportamento, normalmente chamados de “comedouros lentos”. A ajuda de um profissional adestrador também pode ajudar muito na construção de uma alimentação mais tranquila, através da utilização de comandos.

Em locais onde haja mais de um cachorro, pode haver disputa para um comer a comida do outro, fazendo com que comam de forma mais rápida. Caso isso ocorra, inicialmente alimentá-los de forma separada, e buscar a ajuda de um profissional de adestramento.

Armazenamento da Ração

Este um item que também tem sua importância.

Rações que são mal armazenadas podem levar a oxidação e destruição de determinados nutrientes.

Algumas embalagens de ração são feitas especialmente para manter as características originais do alimento.

A ração deve ser mantida em ambiente limpo e fresco.

Recipientes de plástico podem conferir um odor diferente, afetando negativamente na qualidade final para seu cãozinho. Já algumas embalagens de metal são mais aceitáveis.

O alimento que você oferece ao seu cão é fundamental para sua saúde, mas onde você armazena a ração também pode fazer uma grande diferença.