logo

Adaptação com Bebês e Crianças

Nestes anos trabalhando com comportamento canino, por muitas vezes fui chamado para treinar cães a aceitarem melhor um bebê recém chegado.

Imaginem a situação: um cão por um bom tempo foi o único xodó da casa, recebendo total atenção, e com a chegada de um bebê percebe que toda essa atenção foi diminuída, tendo seus tutores voltado tudo aquilo que ele tinha, para este novo ser que chegou. Logo, não se faz uma associação positiva com o neném, imputando a presença dele a uma perda de benefícios.

Mesmo que não haja uma associação negativa em relação ao bebê, pelo simples fato de ter sua atenção reduzida, pode deixar o cachorro inseguro e ansioso, podendo desenvolver outros problemas de comportamento, tornando este momento mais complicado.

Preparativos para a chegada do bebê

O ideal é que toda essa adaptação já comece bem antes da chegada do neném. Esse tempo pode ser bem favorável ao cachorro, para que já comece a se acostumar com uma nova presença e rotina em casa.

À medida em que o quarto e o enxoval vão sendo montados, já se podem iniciar processos de adequação.

O Quarto e o Enxoval

No caso do quarto do neném, é importante saber se o cachorro terá seu acesso livre ao cômodo.

Caso ele não tenha livre acesso, o ideal é que tempos antes da chegada já não seja possível sua entrada, justamente para que a presença da criança não o faça ter uma associação negativa com a proibição.

No caso de livre acesso, há cães que costumam pegar qualquer coisa que encontrem no chão. É interessante treiná-lo para que isso não aconteça, pois não queremos ter que comprar toda hora novas chupetas, certo? A ajuda de um profissional adestrador pode ser essencial.

O enxoval do bebê, por mais simples que pareça, pode ser um grande aliado neste momento, mesmo antes de seu nascimento. Costumo pedir aos meus clientes que separem algumas peças para que sejam apresentadas ao cachorro, para ir se acostumando com seus odores, e preferencialmente servindo como referências positivas.

Estas peças podem ser colocadas junto aos potes de comida e água, perto da cama, próximo onde costumam frequentar, como sofás, poltronas, cama, etc. O estímulo olfativo, associado a boas referências, pode criar no cão uma associação positiva a presença do bebê, pois já estará acostumado olfativamente.

A Atenção

Certamente este é um ponto de preocupação, pois infelizmente é muito difícil conseguir dar o mesmo nível de atenção ao cachorro com a chegada do bebê. Não se trata de não querer, e sim de não conseguir. Um neném exige muito tempo e dedicação, e é necessário que se dose muito esta atenção para que o cachorro não se sinta “abandonado”.

Por isso, é necessário avaliar qual o nível de atenção que seu peludo demanda. Cães que passam o tempo todo colado aos donos podem sofrer mais quando da chegada. Seria necessário, semanas antes do nascimento, que fosse feita uma adaptação gradativa desta rotina, estimulando mais a independência do seu pet. Calma, não se trata de deixá-lo sozinho o tempo todo!

O enriquecimento ambiental pode ajudar muito, pois entregando atividades atrativas nos momentos em que ele não esteja próximo de você, podem fazer com que não seja necessário que esteja a todo momento colado no tutor. É como costumo dizer, que em determinados momentos há a necessidade de que determinadas atividades ou brinquedos sejam muito mais estimulantes que o próprio dono.

Esta fase de adaptação do pet à diminuição da atenção pode ter o auxílio fundamental de um profissional em adestramento e comportamento animal.

A Chegada

O bebê chegou, e agora?

Tudo será muita novidade se você também for um pai ou mãe de primeira viagem. Por isso este momento exigirá calma e paciência.

Um ponto muito importante, que é o mais comum de acontecer, é o de buscar dar mais atenção ao cachorro apenas nos momentos em que o bebê não esteja próximo, aproveitando por exemplo momentos em que a criança esteja dormindo. E acontecer o oposto quando da presença deste, não dando atenção imaginando que já compensou em outro momento ou que pode compensar em outro momento. Não é o ideal.

Na presença do neném, é interessante que o cachorro faça associações positivas, e entenda que sempre quando ele está por perto, coisas boas acontecem. Brinquedos ou atividades que você sabe que deixam seu peludo muito feliz.

Adaptação com Crianças

No caso de cães que estão chegando em sua casa, esta etapa pode se tornar um pouco difícil, dado o nível de energia que ambos possuem, e tendo a missão de educar tanto o cachorro quanto a criança.

Crianças costumam possuir bastante energia, e algumas vezes ela pode ser drenada em brincadeiras com os cães.

Uma boa conversa com a criança é necessária, informando de maneira tranquila coisas que não devem ser feitas com o cão, como puxar o rabo, puxar a orelha ou pelos, arrastar, ou coisas que possam causar algum desconforto.

É essencial que os primeiros encontros entre as crianças e o cachorro sejam supervisionados por um adulto, observando quaisquer pontos que possam gerar algum tipo de problema naquele momento ou no futuro.

O importante, primeiramente, é o de ensinar seu filho ou filha em como abordar da melhor maneira um cachorro. Evitar manuseá-lo em momentos em que estiver dormindo, bebendo água, se alimentando, ou com algum brinquedo que esteja altamente ganhando sua atenção. Falo isso não só para as crianças, e sim para todos. Um cachorro não deve estar concentrado em uma atividade prazerosa ou essencial e ser interrompido bruscamente, podendo levar a uma associação negativa. Exemplo: está tirando uma soneca e subitamente é levada ao colo e sacudida. Não é uma sensação agradável, correto?

Cães costumam ser muito atraídos por crianças. Ao ver a criança correndo pela casa, é quase um instinto natural correr atrás pra começar a brincadeira. Porém algumas vezes os filhotes são um pouco “brutos”, e por se comunicarem muito com a boca nas primeiras semanas, podem acontecer pequenos acidentes, como mordidinhas ou arranhões.